©
emilieae:

Oh my, I want all of them!
Acontece que quando anoitece o mundo se enche de “ai se eu pudesse”…
Eu me chamo Antônio. (via cerejeiro)
É nas margens do teu rio que eu tenho medo de me encontrar. É no fundo da sua alma que é perigoso encontrar algum vestígio do meu querer, do meu saber. As minhas falhas acobertam a tua ânsia de querer voltar. O teu frio cessa com as lembranças do meu braço se encurvando no seu corpo. Eu sei o quanto é perigoso sentir. O nosso problema é exatamente esse, sentir demais. Sabemos todos os clichês decorados, cada passo, cada palavra. Sabemos que as crises serão sempre passageiras e que o nosso café nunca será igual, sou amargo até nas bebidas. Eu sei o quanto eu necessito voltar a resolver as questões mais complicadas dos nossos caos fora de ordem, dos nossos soluços fortes e os tremores que não são na terra. A veracidade, amor, é que nas margens do teu rio eu sempre corro, mas até hoje não consegui fugir.
Eduardo Alves. (via blues-dapiedade)
caprises:

(by whitney dumford)
nickdrake:

Frida Kahlo